[Leitura] Para Sempre Sua - Syvia Day

Para Sempre SuaAutora: Sylvia Day
Série: Crossfire 3#
Editora: Paralela
Ano: 2013
Páginas: 312
Avaliação: 2/3





Que porcaria de livro é esse? Sim, é desse jeito que vou começar essa resenha de hoje. Totalmente indignada. É muito triste se sentir enganada e enrolada por uma autora do qual você gostava, e essa série sem dúvida é para tirar a barriga da miséria para Sylvia Day. A qualidade aqui despencou até as Fossas Marianas. Relaxa, que se você não leu os outros livros não haverá muitos spoilers abaixo simplesmente pelo fato de que praticamente NADA acontece aqui.


[Leitura] Ten Tiny Breaths - K.A. Tucker

Ten Tiny BreathsAutora: K.A. Tucker
Série: Ten Tiny Breaths #1
Editora: Ainda não publicado no Brasil
Ano: 2013
Páginas: 304
Avaliação: 3/5







Preciso dizer que foi por muito pouco que não desisti desse livro. Eu tinha passado da metade e já estava para lá de frustrada porque nada acontecia, ficava naquele "quase" interminável. Ainda bem que sou uma boa brasileira e não desisto quase nunca, porque o final do livro valeu a pena. Na verdade bem verdadeira o que me fez gostar foi 1/4 do que foi escrito,  as páginas finais me surpreenderam e me fizeram realmente entender toda aquela lenga-lenga. Depois tudo começou a fazer sentido. Mas vamos pelo inicio...


[Leitura] Bela Distração - Jamie McGuire

Bela DistraçãoAutora: Jamie McGuire
Série: Irmãos Maddox 1#
Editora: Verus
Ano: 2014
Páginas: 304
Avaliação:3/5






De todos esses livros do gênero Novo Adulto que vierem como uma enxurrada às livrarias, o meu queridinho sempre foi Belo Desastre, então imaginem a minha felicidade quando descobri que a  Jamie faria um nova série sobre os outros Maddox. Mas existe um problema quando o primeiro livro é tão amado, ele se torna uma faca de dois gumes. A empolgação aumenta assim como as expectativas. E expectativa nas alturas quase sempre é problema.



[Do Livro para Tela] Cinquenta Tons de Cinza

Cinquenta Tons de Cinza
Diretora: Sam Taylor-Johnson
Duração: 2h 5mim
Atores: Jamie Dornan, Dakota Johnson, Jennifer Ehle, Eloise Mumford, Rita Ora, Marcia Gay Harden, Luke Grimes e Victor Rasuk
Gênero: Romance erótico
Avaliação: 2/5




Anastasia Steele (Dakota Johnson) é uma estudante de literatura de 21 anos, recatada e virgem. Uma dia ela deve entrevistar para o jornal da faculdade o poderoso magnata Christian Grey (Jamie Dornan). Nasce uma complexa relação entre ambos: com a descoberta amorosa e sexual, Anastasia conhece os prazeres do sadomasoquismo, tornando-se o objeto de submissão do sádico Grey.
Só quem estava de férias em Marte nos últimos anos talvez nunca ouviu falar desse filme/livro não é? Uns amam fervorosamente outros fazem protestos para que ninguém assista com o propósito de nos salvar do fogo do inferno [sim, isso aconteceu aqui]. Mas uma coisa todo mundo concorda, há tempos um filme não era tão comentado. Sejam memes hilários ou barracos tórridos, a grande maioria ama odiar Chirtian Grey e Anastacia Steele.

[Leitura] Crash - Nicole Williams

CrashAutora: Nicole Williams
Série: Crash #1
Editora: Ainda não publicado no Brasil
Ano:2012
Páginas: 215
Avaliação: 3/5






Queimei minha língua com esse livro. Na última resenha estava tão indignada com as autoras americanas sobre a dificuldade de criarem personagens femininas normais. Mas ALELUIA até que enfim depois de tantos livros me aparece uma guria de verdade!

Comecei esse livro por influência do destino, ontem estava assistindo "Ela Dança, Eu Danço" pela milionésima vez, eu sei que não é muito conteúdo, mas digamos que eu gosto mesmo é de ver o Channing Tatum atuar [cof! cof!]. E em seguida atualizando meu perfil no Skoob descubro esse livro, na hora canalizei toda minha energia tatumnistica para ele, garota cor de rosa do balet com garoto todo de preto problemático. Logo no início já vi que as semelhanças acabam ai, mas isso é assunto para o próximo parágrafo.

[Leitura] True - Erin McCarthy

TrueAutora: Erin McCarthy
Série: True Believer 1#
Editora: Verus
Ano: 2015
Páginas: 258
Avaliação: 2/5







 Quando as colegas de quarto de Rory descobrem que a tímida e estudiosa garota nunca passou uma noite com um homem, decidem que vão ajudá-la a perder a virgindade contratando o confiante e tatuado Tyler para fazer o serviço, porém sem o conhecimento dela. Tyler sabe que não é bom o bastante para Rory. Ela é brilhante, enquanto ele está lutando para se formar na faculdade e conseguir um emprego, para, então, poder tirar seus irmãos mais novos da mãe drogada. Mas ele acaba aceitando a proposta, pelo menos como uma oportunidade de conhecer Rory melhor. Há algo nela que o intriga e o faz querer ficar por perto — mesmo sabendo que não deveria.
Divididos entre o bom senso e o desejo, os dois se veem envolvidos em uma relação apaixonada. Mas, quando a família desajustada de Tyler ameaça destruir seu futuro — assim como o dela —, Rory precisa decidir se vai cortar os laços com o perigoso mundo do namorado ou se vai seguir seu coração, não importa o preço a pagar.

Esse texto acima é a sinopse fornecida pelo Skoob sobre o livro, confesso que não foi ela que me animou iniciar a leitura, eu adoro esse gênero e apesar da expectativa baixa estava com esperanças de ser surpreendida e isso não aconteceu em momento nenhum enquanto lia.

Infelizmente não consegui me conectar emocionalmente com os personagens, gostaria muito de poder saber o ponto de vista do Tyler, ele foi o único motivo que não me fez desistir logo, mas foi por pouco. A Rory não chega a ser uma mala sem alça, é apenas sem graça, beirando a brochante. A única parte que realmente gostei foi da família descompensada do Tyler, os irmãos dele são umas gracinhas. Até a mãe drogada do Tyler foi mais interessante que a Rory.

Eu não consigo compreender porque é tão difícil para as autoras americanas fazerem uma protagonista normal sexualmente falando, elas são sempre as ultras virgens puritanas. Não que não existam meninas nos seus vinte e poucos anos virgens, mas a "inocência" delas é chega a ser bizarra, algumas delas, como a Rory, tinham apenas dado uma dezena de beijos castos, isso sem falar que normalmente elas são lindas, gostosas e perfeitas. Aham.

Não pretendo continuar a série porque os próximos livros se referem as amigas dela, que por acaso também não morri de amores por nenhuma. Para mim estão mais para amigas da onça, que tipo de amiga paga para um cara tirar sua virgindade? Fala sério.

Se você quiser ler alguma coisa leve e despretensiosa existem outras centenas de opções. Não que ele seja TODO ruim, ele tem seus momentos, mas é uma daquelas histórias que depois de dias você nem lembra mais do que se trata.

Segue abaixo os próximos livros da série linkando com o Skoob:

1. True (Rory e Tyler);
2. Sweet (Jessica e Riley);
3. Believe (Robin e Phoenix);
4. Shatter (Kylie e Jonathon).

[Leitura] 1Q84 - Haruki Murakami

1Q84Autor: Haruki Murakami
Série: 1Q84  #1
Editora: Alfaguara
Ano: 2012
Páginas: 432
Avaliação: 4/5






Extremamente difícil fazer uma resenha para esse livro. Tenho certeza que não vou conseguir demostrar o quanto gostei principalmente pelo fato de não poder falar quase nada sobre a história sem tirar o prazer de quem pretende lê-la. Mas vamos lá.

A narrativa começa com Aomame, adorei essa mulher, ela é tão dona de si, destemida,
totalmente badass. Está nos seus quase trinta anos, atlética, sozinha e que possui uma vida dupla. Trabalha como personal em artes marciais em um clube e faz alguns favores a uma senhora rica que mora nas proximidades. 


"...Era preciso encontrar uma maneira adequada de
denominar a nova situação em que se encontrava. Era necessário criar um
termo especial para diferenciar o mundo novo daquele mundo anterior em
que os policiais ainda usavam revólveres. Até mesmo os gatos e os
cachorros recebiam nomes. Um novo mundo também precisava de um.
“1Q84 — É assim que vou chamar esse mundo novo”, decidiu
Aomame. “Com a letra ‘Q’, de Question mark; um ‘quê’ de dúvida, de
interrogação.”
Enquanto caminhava, balançava a cabeça como se reafirmasse
sua decisão." Pg. 127

Os capítulos dela são intercalados com os do Tengo. Ele é um professor de matemática e aspirante a escritor. Certo dia recebe a proposta de refazer um romance de uma jovem de 16 anos, a historia que ela criou é incrível, cheia de fantasia e personagens únicos, mas não tem chance de concorrer a o prêmio de revelação por conta da escrita simplória e pobre. Ele fica nesse dilema, ele deve reescrever? Uma parte diz que sim, ele adorou o livro e gostaria muito de vê-lo de uma maneira mais apropriada à qualidade da história. Mas por outro lado isso é totalmente antiético, ele mexeria na obra de outra pessoa (mesmo com o consentimento) e apenas ela receberia as honrarias por isso.

"...o tempo podia se distorcer conforme avançava.
A despeito de sua linearidade, ele se distorcia ao ser consumado: tornava-se
extremamente lento e pesaroso, ou ligeiro e agradável. Às vezes a
sequência dos fatos era alterada e, em casos extremos, um acontecimento
simplesmente deixava de existir, ou algo até então inexistente passava a
existir. As pessoas reorganizam o tempo aleatoriamente, no intuito de
ordenar sua própria existência. Em outras palavras, as pessoas utilizam
esse mecanismo para preservar a todo custo o seu juízo perfeito. Se
fôssemos obrigados a aceitar o tempo em sua linear uniformidade, nossos
nervos certamente não suportariam o estado de tensão, e a vida se tornaria
uma tortura. Essa era a opinião de Tengo." Pg.301

Aos poucos por meio de Tengo vamos conhecendo a menina que escreveu o livro, ela se chama Fukaeri, é bonita, inteligente mas estranha, ela é quieta e de um olhar intenso que o deixa muitas vezes inquieto. Não consegue articular corretamente as palavras, suas frases são curtas e objetivas. Sem dúvida o autor quis caprichar mesmo é nas mulheres, a Fukaeri a principio é bizarra mas você gosta dela logo de cara, bom, eu pelo menos sim, sempre simpatizo com esse tipo de personalidade.

O tempo todo sentimos no ar que tem algo errado acontecendo e parece que só a excêntrica da Fukaeri sabe a respeito, sabemos que em algum momento o destino desses três vai se colidir e então tudo vai realmente ser exposto e as coisas vão realmente acontecer.

"Aomame demorou para perceber o que estava diferente. Mesmo
após constatar o que havia de estranho, sentiu muita dificuldade em aceitar
o fato. Sua consciência não conseguia reconhecer o que seus olhos
captavam.
No céu havia duas luas: uma pequena e outra grande. As duas
estavam emparelhadas. A lua grande era a mesma que ela estava
acostumada a ver. Era quase uma lua cheia e de cor amarelada. Mas, ao
lado dessa, havia uma outra, bem diferente. Uma lua que ela nunca tinha
visto antes. Tinha o formato irregular e sua cor era levemente esverdeada,
como se tivesse a superfície coberta por musgos. Era o que sua vista
captava." Pg.217

Meu conhecimento sobre a cultura japonesa é  limitado então estava curiosa sobre o que ia encontrar por aqui. Foi tão bom sair daquele universo "americanizado", ultimamente é tudo tão parecido, muitas vezes confundo uma série com a outra. Fica claro como Geoge Owell inspirou essa obra, em vários momentos há observações sobre "A Revolução dos Bichos" e 1985". Há também referências a escritores, poetas japoneses e músicos como Janáček ( com essa sinfonetta abaixo) que aparece diversas vezes e parece ter uma ligação com toda a obra.


 O autor leva a narrativa em uma velocidade maravilhosa, ela é fluida, em momento algum é rápida ou lenta demais. Ela tem um pouco de tudo: fantasia, conteúdo histórico, assassinatos, paixões, conspirações e principalmente mistério. O autor não revela nada antes da hora, as informações tantos sobre os personagens quanto ao o que está se passando é exposta no tempo certo, é possível ver a história dos três afunilando em algum momento, mas o "onde" , o "como" e o "quando" ficam a mercê de nossa imaginação por enquanto.

O final não foi apoteótico, mas de deixou curiosa sobre a continuação, a história em si foi revelada limitadamente, acredito que esse livro veio com o intuito de introduzir o ambiente e caracterizar os personagens. Indico a leitura a todos, exceto o público infanto-juvenil, apesar de haver esse mistério de fantasia no ar ele é um livro mais adulto.

"— É como a roda dos desejos do Tibete. Quando a roda gira, os
valores e os sentimentos movimentam-se para cima e para baixo,
resplandecendo e se ocultando na escuridão, mas o verdadeiro amor
encontra-se firmemente no centro da roda, e por isso nunca se move.
— Que lindo! — disse Ayumi. — A roda dos desejos do Tibete.
Terminou de beber o restante do vinho na taça." Pg.323

[Leituras] Emmi & Leo: A Sétima Onda - Daniel Glattauer

Emmi & Leo: A sétima ondaAutor: Daniel Glattauer
Série: Emmi e Leo #2 
Editora: Suma de Letras
Ano: 2013
Páginas: 168
Avaliação:4/5







Eu fui obrigada a ter que continuar esse livro assim que terminei @mor, foi uma necessidade primitiva, uma curiosidade desesperadora. Posso dizer que valeu a pena, mas ainda estou um pouco frustrada.

A partir desse ponto terá SPOILERS do livro anterior @mor.

Esse livro começa com a Emmi desiludida e desesperada por saber o que houve com o Leo. Mas aos poucos tudo volta a normalidade, fica bem claro que os dois estão perdidos nesse relacionamento virtual, e nenhum deles sabe como se comportar direito.

A Emmi fica constantemente nesse morde e assopra com ele, apesar dela sempre se mostrar como uma mulher livre, segura e independente percebemos o tempo todo o quanto ela tem medo e se sente extremamente insegura. O Leo, suspiros, eu adoro, acho ele uma gracinha, por vezes passou por covarde pelos olhos dela mas eu não concordei. Dá para entender completamente seu lado, ele não tem muito o que fazer e agir se ela não fizer a parte dela. Que a propósito, também compreendia porque ela não fazia. [Pois é, sou advogada dos dois]

Infelizmente o livro segue o mesmo modelo do anterior, os diálogos são só por e-mail, então não sabemos o que cada um está pensando ou sentindo realmente, fiquei desapontada mas tenho que respeitar a escolha do autor, porque foi exatamente isso que ele quis e é esse o ponto que dá originalidade para sua obra. Mas eu amaria se ele por acaso resolvesse fazer um terceiro livro só em primeira pessoa com esses dois narradores. Sou uma mulher curiosa não me culpem.

O livro é tão curto que eu li em meia manhã, achei o final um pouco corrido, mas pensei que ia ser  assim mesmo já que agente só descobre  tudo por conversas de e-mail, então não tinha como ser bem certinho e bonitinho. Eu não sabia o que pensar sobre como ia se desenrolar esse desfecho, já estava preparada para tudo, apesar de não gostar tanto da ideia de ela permanecer casada eu iria entender sua decisão. Mas é óbvio que eu torcia muito pelo dois. É claro que não vou contar o que aconteceu, quem leu o primeiro tem que ler esse e descobrir por conta própria.

[Leitura] @mor - Daniel Glattauer

@morAutor: Daniel Glattauer
Série: Emmi & Leo #01
Editora: Suma
Ano: 2013
Páginas: 188
Avaliação: 5/5






Emmi Rothner resolve mandar um e-mail para cancelamento de uma revista, por conta da adição de uma letra no endereço desse e-mail ele acaba sendo enviado para outro destinatário, seu nome é Leo Leike. Como consequência dessa pequena confusão eles começam a conversar via e-mail.

No início as conversas são inocentes, depois de um tempo começam com flertes leves, posteriormente vai ficando cada vez mais maliciosa para os dois e extremamente nociva para nós reles leitores. 

A Emmi é uma alma livre, um pouco doida varrida, fala o que pensa, é tempestuosa e impulsiva. Já contrabalanceando o Leo é doce, gentil, consegue manter mais para si seus sentimentos. O engraçado é que muitos momentos há uma troca de personalidades entre eles, o Leo é o que toma a iniciativa e a Emmi é a temerosa.

Toda a narrativa é em formato de e-mail: "assunto", "dois minutos depois", "oito dias depois". Estou torcendo para o próximo livro ter um pouco de narração em primeira ou terceira pessoa, eu PRECISO saber o que está passando naquelas cabecinhas!!! O final foi angustiante, para mim foi um cliffhanger emocional, se é que isso existe.

Eu amei o livro, ele foi tão prazeroso ao mesmo tempo lancinante, eu fiquei com muita raiva dos dois (mais da Emmi), depois eu torcia logo para que eles pudessem se encontrar. Tiveram surpresas que me impressionaram e coisas deram errado. Não quero contar muito mais para não estragar a leitura, mas foi difícil ficar na pele da Emmi, acho que só quem esta na situação dela consegue perceber que não são tão simples as decisões que ela tem que tomar.

Super, ultra, mega, duper indico! Ele é original e te deixa alucinada pela continuação.

[Leitura] Maybe Someday - Collen Hoover

Maybe SomedayAutora: Collen Hoover
Editora: Ainda não publicado no Brasil
Ano:2014
Páginas:249
Avaliação:2/5






Adoro(ava) essa autora, os livros delas sempre foram tão legais, eu gostava tanto dela que leria até sua lista de supermercado. Mas depois dele aprendi duas coisas: 1)A sua autora (o) queridona da galáxia pode sim fazer um livro que você deteste e 2)Não confie tanto assim nas avaliações do Skoob (tudo bem, fui bem lerda em descobrir isso, mas abafa!).

Quero deixar bem claro que esta é uma opinião totalmente pessoal sobre esse livro, na verdade talvez (muito provavelmente devido a animação da galera que leu) ele não seja essa catástrofe completa, acho que simplesmente ele não é para mim.

Vou tentar explicar o porquê. Ele começa com a Sidney descobrindo que seu namorado de dois anos a está traindo com sua melhor amiga, sem ter para onde ir ela acaba indo para casa de Ridge. Na verdade eles não são amigos, nunca conversaram pessoalmente, se conheceram porque ele tem o hábito de tocar violão na sacada e ela estudar na sacada da frente. Rola aquela química básica, há olhares, flertes, e então depois de umas semanas ela descobre que ele tem namorada. Na verdade nunca rolou realmente nada sério entre eles, mas ela se sente traída por ele ter omitido essa informação.

"Eu não sei o que ele está fazendo ou por que ele está ficando tão perto de mim, mas caramba.Caramba.Por que o meu coração está saindo pra fora agora?Ele me empurra até que eu estou prensada em seu colchão. Alcança por detrás dele e pega seu violão, e então o coloca no outro lado de mim. Ele deita-se ao meu lado.Acalme-se, coração. Por favor. Ridge tem sentidos supersônicos, e ele vai sentir que você batendo através das vibrações do colchão." Pg.73

Bom, a partir daí acho que dá para imaginar a novela que irá se arrastar. Até a página 188 eu fui levando quase numa boa, na esperança que o negócio ia melhorar. Eu não gostei da maneira que a autora levou a história. A todo momento ficava claro que ele não ia se separar da namorada, parecia que ele não podia, eu ficava pensando "Meu filho você tem um dívida com a família dessa moça, ta esperando o que para terminar?". 

O tal motivo na verdade me convenceu, como eu disse acima o negócio foi pessoal mesmo, eu que não gostei desse motivo, mas ele é plausível e aceitável. Já não sou fã de triângulos amorosos, mas esse testou minha paciência, foi too much. Era muita traição que não era traição, era aquele quase que nunca acontecia, mas que jamais ia querer que o meu namorado tivesse isso com alguma outra garota.

Sobre os personagens eu acabei gostando só dos coadjuvantes,Warren amigo e companheiro de apartamento deles, é muito engraçado e Bridgette, apesar de ninguém gostar dela no livro, eu simpatizei, apesar de sempre mau humorada, acho que ela tem uma história triste por trás daquele gelo todo. O casal principal não me fez suspirar horrores, eles eram tão sinceros que  ao invés de me dar uma sensação boa, me incomodava. O que adianta ser sincero se ninguém faz nada a respeito? Palavras, palavras e palavras, ação zero. Me deu uma impressão de desvio de caráter dos dois.

 A Sidney ficava o tempo todo afirmando o quanto ela queria ser independente, nunca quis morar com o namorado por causa disso, queria ter a própria vida,não depender em nada dos pais, mas não tinha dinheiro para nada e não arrumava nunca um emprego. A menina só ficava em casa reclamando da vida, nunca apareceu nem estudando, daí lá pelo meio ela me arruma um emprego e depois de umas semanas acaba sendo mandada embora e fica por isso mesmo, não sei como ela sobrevive. Mais uma vez palavras, palavras e palavras.

Ficaram tantas pontas soltas que eu não sei o que a Collen quis com isso, já que esse livro não tem continuação. Há momentos em que o Ridge viaja por dias, diz que tem a ver com a família, fica aquele clima de mistério mas nunca é explicado. Sabemos que os dois tem problemas com suas respectivas famílias, mas é pouco explorado. Outra coisa é a falta de caracterização, só sabemos que ele é loiro, na verdade não há quase informação algumas sobre características físicas de nenhum dos personagens.

Sinceramente eu achei mais bonito o "amor" dele com a Maggie (que é a namorada) do que com a Sidney, na verdade achei linda a história dos dois, se o livro contasse esse romance me agradaria bem mais. No fundo acho que ele ainda ama mesmo é a Maggie. Não consegui sentir raiva dela, muito pelo contrário, ela é admirável, forte sem rodeios e mimimis da vida.

Para alguém que não gostou, essa resenha está bem grande eu sei, mas é que eu fiquei tão decepcionada com a autora, nem parecia ela, fui até pesquisar para ver se esse é o primeiro livro que ela escreveu, mas não. Então, prefiro pensar que é só uma avaliação totalmente pessoal. Mas teve uma coisa que eu curti muito,  as canções,  é possível escutar todas aqui, elas são lindas

Sinceramente não sei se indico, se você não se importa tanto com triângulos amorosos, então vai fundo que é por sua conta e risco.Eu vou continuar com os outros livros porque quero muito ler a novela do Warren, e saber o que aconteceu com a Maggie, mas se ela me aparecer com mais um livro desses dois eu taco-lhe uma voadora ninja.

Segue abaixo os livros da série, que na verdade não é uma serie: (obs.:amaria se ela fizesse um livro do Brennan, irmão do Ridge, também gostei muito dele, o cara parece ter potencial)

1. Maybe Someday. (Ridge e Sidney)
1.5 Maybe Not (Warren e Bridgett)
Maggie's Epilogue (como o nome diz é o epílogo na Maggie)

[Leitura] O Guia do Mochileiro das Galáxias - Douglas Adams

O Guia do Mochileiro das GaláxiasAutor: Douglas Adams
Série: O Guia do Mochileiro das Galáxias #01
Editora: Arqueiro
Ano:2010
Páginas: 160
Avaliação:4/5






"Um número cada vez maior de pessoas acreditava que havia sido um erro terrível da espécie descer das árvores. Algumas diziam que até mesmo subir nas árvores tinha sido uma péssima ideia, e que ninguém jamais deveria ter saído do mar." Pg.10

Gente, o que é esse livro? Eu já imaginava que ele seria meio maluquinho, já tinha ouvido algumas opiniões, mas o autor é insano, a sua mente sem dúvida trabalha na velocidade da luz.

Vamos ao início. Arthur Dent é um Britânico que tem sua vida virada de cabeça para baixo quando seu amigo Ford Prefect o convida a tomar umas cervejas no bar, no momento Arthur está um pouco ocupado deitado na lama na frente de sua casa, ele tem o intuito de impedir a demolição da mesma por conta de um desvio novo na estrada da cidade.
Chegando ao bar Ford o comunica que o mundo esta acabando, a Terra irá ser destruída e eles precisavam sair dali em dez minutos, ele deve beber logo seus seis chopes. A Terra é enfim destruída e esses dois improváveis amigos começam um jornada pelo espaço. No meio do caminho se esbarram em Zaphod Beeblebrox e Trillian, e dai mesmo é que a historia fica louca.

Quando comecei a ler fiquei um pouco surpresa, se não me engano já vi ele mais de uma vez na parte de infanto-juvenil, tinha uma ideia que ia encontrar alguma coisa engraçadinha e inocente. Inocência a minha. Na verdade é um livro para todas as idades, mas não tem nada de singelo. O autor abusa de sarcasmos, piadinhas e MUITA imaginação. A principio nada faz sentindo, mas aos poucos uma informação vai se juntando à outra, e quando percebemos esta quase tudo interligado. [quase porque existem umas historinhas paralelas, que tem o intuito só de divertir o leitor mesmo]

Meu personagem predileto sem duvida foi o Zaphod, eu AMEI esse ser de duas cabeças, ele é sem noção, é inteligente e ao mesmo tempo é burro, engraçado, e não me pergunte como, mas tem seu charme. Pois é, bizarro, mas é a verdade.

Douglas Adams tira muito sarro da humanidade, de como pensamos que somos inteligentes, uma raça tão superior e desenvolvida. No começo me senti idiota por não entender bulhufas do que ele estava dizendo, parei a leitura por quase uma semana, depois retomei e tive a impressão que era isso que ele queria, que eu me sentisse estúpida. Resolvi ler de outra maneira, com a mente mais aberta como se entendesse aquele monte de informações malucas sobre física, tempo/espaço, aparelhos, computadores, tecnologia avançada e afins (como no quote abaixo). Então tudo ficou claro quando percebi que eu não devia mesmo captar nada daquilo, a grande maioria é tudo invenção daquela mente psicodélica e criativa, e percebi, ele estava era tirando sarro de mim! Ou será que fiquei um pouco paranoica com esse livro? Ainda não descobri, talvez eu use o gerador de improbabilidade infinita e descubra qual a chance disso realmente acontecer! 

"O Princípio de gerar pequenas quantidades de improbabilidade finita simplesmente ligando os circuitos lógicos de um Cérebro Subméson Bambleweeny 57 a uma impressora de vetor atômico suspensa num produtor de movimentos brownianos intensos(por exemplo, uma boa xícara de chá quente) já era, naturalmente, bem conhecido - e tais geradores eram frequentemente usados para quebrar gelos em festas..." (pg. 69. Entendeream o que eu disse? WTF é isso?)

Existe um filme também desse livro, eu assisti apenas o comecinho, gostei e parei porque queria ler o livro primeiro. Pelo que eu assisti ele me pareceu ser bem fiel. Não achei um bom legendado então coloquei esse em inglês mesmo:


Há um outro vídeo bem interessante que demonstra um pedacinho de outra parte do livro, não há grandes spoilers mas eu indicaria só para quem já leu o livro, é sobre a Questão Fundamental:


Há quem diga que essa é uma referência a um conto de Isaac Asimov, "A Última pergunta". É um conto bem interessante também que vale a pena ser lido (clique aqui se quiser ler).

Ah!!! E tem mais uma coisa muito interessante nesse livro, aqui descobrimos o que acontece com aquelas canetas esferográficas que sempre somem, imagino que o mesmo fenômeno se aplique a amarradores de cabelo, par de meias e outras tantas coisas que desaparecem de uma hora para outra!! Interessantíssimo!

Minha dica sobre esse livro seria: NÃO ENTRE EM PÂNICO e leia logo essa série!

“Você acha que o seu problema é sério? E eu? O que faço se eu sou um robô maníaco depressivo? Não, nem tente responder; eu sou 50 mil vezes mais inteligente que você e nem eu sei a resposta. Só ao tentar me colocar no seu nível intelectual, fico com dor de cabeça.”Pg.103

[Leitura] Archer's Voice - Mia Sheridan

Autora: Mia Sheridan
Série: Sign Of Love 4# (Sagittarius)
Editora: Ainda não pulicado no Brasil
Ano: 2014
Páginas: 295
Avaliação: 4/4






Esse livro é muito lindo, eu vi ele lá no Blog Livros em Série. Era uma notícia anunciando que a Arqueiro tinha comprado os direitos. Fui pesquisa-lá no Skoob e a nota era 4.6, fiquei doida parei tudo que estava lendo e peguei ele logo em seguida. E posso dizer que valeu a pena.

Aqui temos a Bree que tenta fugir da tristeza que tornou sua vida, vai para uma cidadezinha pacata achando que talvez novos ares possam ajudá-la a continuar em frente. Lá ela acaba se deparando com Archer, a princípio ela o acha misterioso e esquisito porque quando ela começa a despejar um milhão de frases para cima dele ele não fala nada, não responde uma palavra, apenas vira as costas e vai embora. Perguntando aos moradores da cidade qual é problema dele descobre que ele sofreu um acidente a anos atrás, quando tinha sete anos e perdeu seus pais, seu tio e acabou ficando sem falar. Alguns chegavam a dizer que ele era louco, mas Bree não acreditou muito nisso e não desistiu de conhecê-lo melhor.

"Eu não conhecia o suficiente para sonhar com você, Bree, mas de alguma forma você tornou-se realidade, de qualquer maneira. Como isso aconteceu? Ele esfregou o nariz ao longo do meu, pausou e depois recuou novamente. "Quem ler minha mente saberia exatamente o que eu queria, mesmo quando eu não sabia?

Até ai não parece cheio de clichês? Mas não, ele é bem diferente, esse casal vai amadurecendo tão aos poucos, foi muito lindo ver a interações deles, a princípio Archer fica extremamente cauteloso, ele prefere que as pessoas se mantenham afastadas, não sabe nem se comportar em meio a sociedade, muitas vezes parecia até um Homem das Cavernas, ficou anos escondido na sua casa sem contato com ninguém. A Bree sempre teve muita paciência, sabia como lidar com os demônios dele. A grande maioria dos capítulos são narrados por ela, mas temos alguns que ele nos relata seu ponto de vista.

Não teve muito mimim aqui também, existiram uns dramas, mas foi bem aturável, não achei forçado, deu para entender bem porque tudo acontecia e lá bem pelo finalzinho a autora acabou com meu coraçãozinho, minha vontade era de jogar o computador na parede, me bateu um desespero MESMO.

Ele me lembrou um pouco Tall, Tatted and Tempting da Tammy Falkner, onde o protagonista também possui uma deficiência, mas nesse caso é auditiva. Mesmo assim acho que esse é um pouco mais dramático porque o Archer realmente não sabe o que fazer com ninguém, depois do acidente ele nunca tinha interagido com nenhum pessoa que não fosse seu tio (que depois do acidente veio cuidar dele), e que acabou morrendo anos atrás. Até o básico como ir ao mercado ele evita ao máximo, só quando é realmente preciso. A Bree tem que ensiná-lo tudo, quando digo tudo é TUDO mesmo, se é que me entendem...heheheheh.

Por conta da capa eu imaginava que teria mais um pegada hot, sem muito aprofundamento, mas não, logicamente há varias cenas que pegam fogo, mas há também uma história autêntica, cheia de pureza e descobertas.Recomendadíssimo!
Você trouxe o silêncio, 
O som mais belo que eu ja ouvi,

Porque era onde você estava.

E agora você o tomou.

E todos os ruídos, todos os sons do mundo,
Não são altos o suficiente, para perfurar meu coração partido,
Eu olho para as estrelas, intermináveis e eternas, e sussurro,
Volte para mim, 
Volte para mim,
Volte para mim.

[Leitura] Vaclav & Lena - Harley Tanner

Autora: Harley Tanner
Editora:Intrínseca
Ano:2012
Páginas: 272
Avaliação:4/5







Vaclav e Lena parecem destinados um ao outro. Eles se encontram pela primeira vez aos 6 anos, numa aula de inglês para imigrantes em Brighton Beach, no Brooklyn. Vaclav é precoce e falante. Lena, com dificuldade no idioma, refugia-se na segurança de sua adoração por ele. Ele imagina a história dos dois se desenrolando como em um conto de fadas. No entanto, uma das muitas verdades a serem descobertas nessa extraordinária obra de estreia de Haley Tanner é que "felizes para sempre" nunca é um desfecho garantido. Um dia, Lena não vai à escola. Desaparece da vida de Vaclav e da família dele como num cruel truque de mágica. Durante os sete anos seguintes, Vaclav deseja boa-noite a Lena todos os dias, perguntando-se se ela faz o mesmo onde quer que esteja. No dia do aniversário de 17 anos de Lena, ele finalmente descobre o que aconteceu. 

Eu tinha me esquecido da sensação maravilhosa que é ser surpreendida por um livro. Estou numa onda de ler tanta coisa que é "modinha", queria alguma coisa diferente, que nunca tivesse lido nada a respeito, nenhum comentário, nenhuma resenha, nada. Ele estava a tanto tempo no stand by da minha estante, agora me sinto culpada por ter negligenciado por tanto tempo uma história tão linda.

Não vou entrar nos pormenores dos acontecimentos porque também não quero estragar a leitura de ninguém, acho que quanto menos souber melhor. Ele é narrado em terceira pessoa mas com pontos de vista distintos, sabemos sobre os sentimentos principalmente de Vaclav, Lena e a Rasia (a mãe de Vaclav), mas no decorrer da história vamos conhecendo  um pouco de cada personagem que também não são muitos.

 Ele não é dividido em capítulos bonitinhos 1, 2, 3. São capítulos curtos nomeados, como por exemplo: "JANTAR", "LENA ESTA COM VONTADE DE RIR" e assim por diante. Quando terminei o livro fui dar uma espiada nas opiniões alheias, e vi algumas pessoas falando mal da narrativa que é lenta e monótona. Para mim funcionou muito bem, eu gostei como a  autora foi levando esse romance, dava para sentir bem a fragilidade dos personagens, a inocência das crianças e principalmente amor que está a todo momento presente, um amor puro, que muitas vezes a pessoa que sente não percebe que esta sentindo, mas ele está lá bem vivo é quase palpável.

Nunca quis tanto ser uma personagem quanto quis ser Lena. Não porque a vida dela é maravilhosa, muito pelo contrário, é uma droga. Mas eu invejava era à adoração que Vaclav sente por ela, ele é tão fofo, humilde, altruísta em relação a ela. Ele me lembrou muito um outro menininho que eu amo, que é o Rudy de A Menina que Roubava Livros, sempre tão alegre, otimista e persistente.

Fui chegando no final e foi batendo o desespero, havia apenas cinco páginas e eu tinha certeza que não ia dar tempo de fazer um final descente, continuei lendo, três páginas, essa autora vai estragar um livro tão bom, duas páginas, eu não acredito que esse vai ser um daqueles livros que terminam do nada,  cheguei na última página e  "Ah meu Deus, porque não pensei nisso antes?". Foi bem a cara do Vaclav, apesar de querer saber muito mais sobre o que aconteceu com eles eu gostei do final, foi diferente e original.

Recomendadíssimo para quem gosta de romances e para quem não gosta também. Esse livro é muito mais, é sobre encontros, desencontros , amor não só entre homem e mulher, mas o amor verdadeiro, seja mãe e filho, menina e menino, amigos, amantes, tanto faz, o que importa é o que você é capaz de fazer por uma pessoa que você ama.

[Leitura] Ratos - Gordon Reece

Autor: Gordon Reece
Editora: Intrínseca
Ano:2011
Páginas:240
Avaliaçã: 4/5







Shelley e a mãe foram maltratadas a vida inteira. Elas têm consciência disso, mas não sabem reagir — são como ratos, estão sempre entocadas e coagidas. Shelley, vítima de um longo período de bullying que culminou em um violento atentado, não frequenta a escola. Esteve perto da morte, e as cicatrizes em seu rosto a lembram disso. Ainda se refazendo do ataque e se recuperando do humilhante divórcio dos pais, ela e a mãe vivem refugiadas em um chalé afastado da cidade. Confiantes de que o pesadelo acabou elas enfim se sentem confortáveis, entre livros, instrumentos musicais e canecas de chocolate quente junto à lareira. Mas, na noite em que Shelley completa dezesseis anos, um estranho invade a tranquilidade das duas e um sentimento é despertado na menina. Os acontecimentos que se seguem instauram o caos em tudo o que pensam e sentem em relação a elas mesmas e ao mundo que sempre as castigou. Até mesmo os ratos têm um limite.

Quando peguei esse livro para ler já estava preparada psicologicamente para ter sangue jorrando na minha cara a cada virada de página. Tinha lido umas resenhas e infelizmente peguei alguns spoilers, e posso garantir que não é nada de tão horripilante assim.

É claro que existe uma tensão, mas ela na maioria das vezes é  psicológica. Todo o livro é contado pelos olhos de Shelley, a princípio ela é uma menina assustada, que não reage, se deixa ser humilhada de várias maneiras possíveis. Mesmo assim eu não tive raiva dela, consegui entendê-la, é triste mas realmente existem pessoas assim, principalmente na adolescência, período em que ao mesmo tempo em que somos corajosos somos também mais vulneráveis, sentindo sempre a necessidade de provar alguma coisa a alguém.

"Saber o que aconteceu depois me faz pensar em como a aparência e o comportamento delas em relação a mim mudaram na mesma época. Sempre me perguntei se existia alguma conexão. Nossa aparência afeta nossa personalidade? Ou é nossa personalidade que afeta nossa aparência? A pintura corporal para um guerra transforma um índio covarde em um guerreiro corajoso?...(Pg. 20)"

Depois do acontecimento ocorrido após o aniversário de 16 anos da Shelley, é palpável a mudança de personalidade nas duas. De uma maneira muito destorcida e me sentindo culpada eu gostei disso. Foi legal vê-las mais corajosas e destemidas. Adorei a relação entre elas, apesar de todas as coisas horríveis, sempre houve muito amor e companheirismo ali. 

 Sei que sou um rato e que estou me escondendo de todos em meu ninho aconchegante, atrás dessas paredes, mas minha vida de rato é repleta de todas as coisas boas que existem: arte, música, literatura...amor. (Pg. 50)

Ficou bem claro que uma decisão ruim pode levar a um caminho desastroso, no decorrer da história assistimos à bola de neve ficando maior e maior até chegar um ponto em que você espera por qualquer final possível. Eu gostei da conclusão, achei que apesar dos pesares elas mereceram esse desfecho. Não sou nenhuma expert em thrillers mas eu gostei dele, os capítulos são bem curtos deixando a leitura super ágil e quando você percebe esta nas últimas páginas. E o melhor, ele é super baratinho, paguei uns dois reais no Submarino, ele sempre está em promoção e vale a pena.

[Leitura] Stepbrother Dearest - Penelope Ward

Stepbrother Dearest





Autora: Penelope Ward
Editora:Ainda não publicado no Brasil
Ano: 2014
Páginas:232
Avaliação:4/5


Greta é filha única, mas depois da morte de seu pai  sua mãe resolveu se casar novamente. O novo marido se chama Randy e também tem um filho da mesma idade dela, Elec. Ela não sabe quase nada sobre seu meio irmão apenas que pai e filho têm uma relação difícil e que ele é rebelde e revoltado.

Devido a alguns acontecimentos Elec vai morar com o pai por um tempo e assim eles acabam se conhecendo. A princípio  não se dão nada bem, ele é totalmente mal educado mas aos poucos a relação entre eles vai estreitando até que não conseguem mais se conter. 

Mas é claro que nada é tão fácil e lindo...

Eu adorei o livro, foi diferente dos últimos YA que eu li. Na verdade ele também é New Adult porque há dois momentos, eles com seus 18 anos e mais tarde com 25 anos. A história em si não tem nada de mirabolante, ele é até bem simples. O que eu gostei foi a atitude dos protagonistas, não tem aquele lenga-lenga habitual de: "oh como estou apaixonado (a) por você mas não posso te contar, tenho que fugir para longe, ficar com 19892112887323 de gurias/caras para ter que te esquecer,...e blá blá blá.

Na verdade eles não podem ficar juntos, existe um motivo simples mas convincente,  o sentimento que um sente pelo outro é  declarado , não tem frescurite, tudo vai acontecendo naturalmente. Os autores sempre tentam fazer um coisa espalhafatosa, e acaba ficando forçado, aqui a Penelope usou a simplicidade e sem dúvida me ganhou.

O final ficou repetitivo, quem ler vai entender o que estou dizendo, sem spoliers,acho que a autora podia ter feito "aquilo" de outra maneira, acho que devia ter pulado umas partes e colocados diferentes pontos de vista em outros. Mesmo assim gostei de como ela demonstrou o POV do Eric sendo que a narradora é a Greta.

E o melhor de tudo: não é uma série..


Bom na verdade eu ACHO que não é. Não encontrei em lugar algum uma informação que teria continuação, o final é bem fechadinho. Imagino que daria um ótimo filme, aqueles bem água com açúcar que eu detesto e adoro ao mesmo tempo. 

Eu recomendo sim, tem várias cenas calientes, mas não é só isso,apesar dessa capa by "I'am too sexy, do Right Said Fred"  tem uma história bem legal por trás disso. 


Tecnologia do Blogger.